O que você precisa saber sobre o nascimento dos dentes do bebê

O nascimento dos dentes do bebê pode ser muito mais interessante do que se imagina. Por quê? Por várias razões, mas a principal delas é que, mesmo a gente vendo o neném recém-nascido sem dentes, eles já estão ali — inclusive os permanentes —, pois todos os dentinhos começaram a ser formados quando o bebê ainda estava na barriga da mamãe. E isso é incrível de se imaginar!

Continue lendo e aprenda tudo o que você precisa saber sobre o nascimento dos dentes do seu bebê, desde sua formação até a chegada dos definitivos.

Como acontece o desenvolvimento dos dentes do bebê?

Botões dentários

É ainda durante a gravidez que aparecem nos bebês os chamados botões dentários, que são as bases dos dentes de leite (também chamados pelos dentistas de dentes decíduos).

Tais botões começam a nascer por um rompimento que acontece na superfície da gengiva entre os 3 e os 12 meses de vida, são os primeiros dentinhos surgindo e aparecendo na boquinha do bebê.

O nascimento do primeiro dentinho do bebê

Embora possa acontecer entre 3 e 12 meses, o mais comum é que o primeiro dentinho “aponte” na boquinha do seu bebê por volta dos 6 meses, que coincide com o momento em que a alimentação dele começa a incluir alguns alimentos sólidos.

Embora seja raro, há bebês que têm dentinhos prematuros antes mesmo de nascer. A estimativa é de que um em cada 2.000 bebês já nascem com um ou mesmo dois dentinhos. Algumas vezes pode ser necessário extraí-lo.

Em bebês mais precoces, o primeiro dente a se romper é, geralmente, o dente central inferior, que nasce em torno dos 3 meses de vida. Já há outros bebês que podem começar a ter dentes apenas pouco antes de completar 1 ano de idade, o que também é perfeitamente normal.

E se os dentes não nascerem?

Os dentinhos de bebês prematuros tendem a demorar um pouco mais para nascer, mas se o bebê fez 1 ano e não há sinal de dente à vista (gengivas inchadas e avermelhadas), fale com o pediatra em sua próxima consulta.

Quando todos os dentes de leite já nasceram?

Os últimos dentes, no fundo da boca do bebê, em geral, já nasceram pouco antes de o bebê completar 2 anos de idade. Aos 3 anos, a criança terá 20 dentes de leite formados, ou seja, a dentição estará completa.

Como acontece a troca dos dentes de leite pelos permanentes?

Fase em que os dentes de leite começam a cair

Os dentes de leite começarão a cair por volta dos 6 anos de idade, pois os dentes permanentes já estarão formados e precisam ocupar o espaço dos dentinhos que estão caindo.

É nessa fase que aparece o primeiro molar permanente, que nasce atrás dos últimos dentes molares de leite. Esse dente tem uma característica interessante: ele nasce sem que um dente de leite caia. Por ser muito sensível ao desenvolvimento de cáries, as mamães devem ficar de olho em seu surgimento e na menor suspeita de problema, a criança deve ir ao dentista.

Fase da dentição mista

No momento em que há na boca tanto os dentes de leite quanto os permanentes, diz-se que a criança tem “dentição mista”. A troca total dos dentes de leite pelos permanentes ocorre até cerca dos 11 anos.

Aos 12 anos, os últimos dentes de leite já caíram e os permanentes já nasceram em seu lugar. É nessa fase que também nasce o dente chamado segundo molar permanente, que nascerá atrás do primeiro molar permanente.

A chegada dos dentes permanentes

É nesse momento que começa a fase da dentição permanente, que só se completará por volta dos 18 anos, com o surgimento dos famosos dentes do siso ou “dentes do juízo”, que são, na verdade, os terceiros molares permanentes.

Sintomas causados pelo nascimento dos dentes do bebê e o que fazer para aliviá-los

Dor e salivação

Dor, agitação, muita salivação (conhecida popularmente como “excesso de baba”) — tudo acompanhado de muito choro —, aparecem entre um a dois meses do primeiro dentinho rasgar a gengiva.

Para amenizar a dor e a agitação, dê mordedores que massageiam a coçam a gengiva. Faça também massagens com o seu dedo e com alguma coisa gelada (algodão embebido em água gelada, por exemplo), pois o gelo ajuda a aliviar as dores. Mas cuidado para não soltar o algodão dentro da boca do bebê ou ele pode engoli-lo. Alimentos gelados também podem ser oferecidos, sempre com sua supervisão, é claro.

Dores intensas

Dores muito fortes, que geralmente são evidenciadas por choro intermitente, podem ser aliviadas com um analgésico infantil como o paracetamol, por exemplo, mas sempre seguindo as orientações do pediatra quanto ao medicamento ideal e a dose adequada (nunca use remédios que seu filho nunca tiver tomado, sem o médico saber). Se o bebê estiver com febre ou se não conseguir se acalmar, o ideal é levá-lo ao médico, pois a gengiva poderá estar muito inflamada — ou pode ser sintoma de outra coisa, como otite, por exemplo.

Uma dica para amenizar o estresse dos pais nessa fase, é comemorar o nascimento do primeiro dentinho registrando o acontecimento com várias fotos de sorrisos banguelas, e anotando a data para guardar como recordação.

Desgaste do esmalte dentário

Muitas crianças adormecem enquanto estão mamando. Procure evitar que tal costume comece, pois os açúcares naturalmente presentes no leite podem fermentar e, com o tempo, provocar desgaste do esmalte dos dentes, além de aumentar o risco de cárie.

Dar mais cedo a última mamada da noite ajudará a desvincular o bebê desse hábito. Dica: faça a higienização dos dentes do seu bebê nesse momento. Como fazer a limpeza? Confira abaixo.

Higiene bucal do bebê

Antes do primeiro ano de vida

Durante o primeiro ano de vida do bebê, os dentes não serão escovados de verdade, mas precisam ser limpos. Passe uma fraldinha de pano limpa ou uma gaze ao menos uma vez ao dia. Existem dedeiras de silicone próprias para encaixar no dedo da mamãe que servem para essa limpeza — e também ajudam a aliviar eventuais coceiras que o nascimento dos dentes podem causar.

Após 1 ano e meio de idade

Nessa fase, o bebê pode começar a aprender a escovar os dentes com o seu acompanhamento — que ainda vai durar por vários anos. Começar cedo fará com que ele adquira o hábito, o que será benéfico para ele por toda a vida. Dica: dê uma escova extra para ele, apenas para ele “brincar” de escovar os dentes, enquanto você os escova de verdade.

Qual escova e pasta de dente usar na escovação do bebê de 18 meses?

O ideal é usar uma escova macia e uma quantidade muito pequena de creme dental (como o tamanho de um grão de arroz, por exemplo). Usar pouca pasta é importante porque se o bebê a engolir, que pelo menos não seja muita quantidade.

Então, é importante que se use apenas, e tão somente, as pastas de uso exclusivo para bebês, já que as pastas de dente de adultos contêm muito flúor, portanto, nunca podem ser engolidas.

Ainda com relação ao creme dental, os dentes de crianças que usaram muita pasta de dente na escova costumam apresentar manchas, condição conhecida como fluorose. Usar a pasta adequada é uma informação que deve ser passada à babá, avós e quem quer que vá escovar os dentes do seu bebê.

E já que a criança não costuma colaborar com essa tarefa, não precisa escovar os dentinhos em uma direção única. E isso, mamãe, vale principalmente para as primeiras escovações, já que não queremos que nosso filho crie aversão à escovação dental.

Se o sabor da pasta de dentes não agradar a criança, troque por outro, pois isso é fundamental para criar esse hábito tão saudável no bebê, sem traumas e chororô.

Gostou das nossas dicas e informações sobre o nascimento dos dentes do bebê? Se você já passou por essa fase, ficaremos felizes de saber suas experiências!

Renata

<p>ODONTOPEDIATRA</p> <p>Graduação Faculdade de Odontologia do Planalto Central (FOPLAC) Brasília DF – 2010<br /> Especialização Odontopediatria na Faculdade São Leopoldo Mandic (SLM – Campinas)<br /> Pós Graduação: Curso de capacitação em Odontologia intrauterina e da Primeira infância – UNESP<br /> Curso de Odontologia na Primeira Infância-Clínica de bebês – USP São Paulo<br /> Aperfeiçoamento em Endodontia SLM SP<br /> Aperfeiçoamento em Ortodontia e Ortopedia na Clínica de Odontopediatria – SLM SP<br /> Curso Intensivo de Odontologia para Bebês – Universidade Estadual de Londrina UEL<br /> Aspectos Nutricionais no Atendimento Odontopediátrico – USP</p>